ARTEMÍSIA, Artemisia vulgaris.
Plantamed

Busca no Plantamed, com o Google. Artemisia vulgaris L. - ARTEMÍSIA

Nome científico: Artemisia vulgaris L.

Família: Asteraceae.

Sinônimos botânicos: Artemisia verlotorum Lamotte.

Outros nomes populares: absinto, artemísia-comum, artemísia-verdadeira, artemija, artemige, artmígio, erva-de-são-joão, flor-de-são-joão, isopo-santo, losna, losna-brava; gewöhnlicher beifuss (alemão), hierba de San Juan (espanhol), armoise (francês), mugwort (inglês), assenzio selvatico (italiano).

Constituintes químicos: ácido antêmico, ácido fórmico, ácido isobutírico, ácido isovalérico, ácido málico, ácido succínico, ácido tânico, adenina, aldeído cumínico, aromadendrino, artemisina, artemose, borneol, cadineno, canfeno, cânfora, cimeno, cineol, colina, cumarina, estigmosterol, estragole, fechona, felandreno, fenol, fernerol, inositol, lamirina, limoneno, linalol, pineno, princípios amargos, quebrachitol, rutina, sabineno, sacarídeos, santonina, saponinas, sitosterol, taninos, tauremisina, terpineno, terpinoleno, terpineol, tujonabutiraldeído, tuiona.

Segundo www.swsbm.com\Constituents\Artemisia_vulgaris.txt, há os seguintes compostos (inclusive com as quantidades e localização na planta): 1,8-cineole, 3-beta-hydroxyurs-12-en-27,28-dionic-acid, 5,3'-dihydroxy-3,7,4'trimethoxyflavone, 7,8-methylenedioxy-9-methoxycoumarin, adenina, alfa-amyrin, alfa-amyrin-acetato, alfa-cadinol, alfa-pineno, alfa-thujone, arsênico, artemisiketone, ácido ascórbico, cinza, bário, beta-cadinol, beta-caroteno, beta-pinene, beta-sitosterol, borneol, bromo, cadinenol, cálcio, carboidrato, cloro, colina, cromo, cis-dehydromatricaria-ester, cobre, eo, gordura, fernenol, fibra, gama-cadinol, heptadeca-1,7,9-triene-11,13,15-triyne, inulina, iodo, ferro, chumbo, linalol, acetato de linalyl, magnésio, manganês, molibdênio, muurolol, myrcene, nerol, acetato de neryl, niacina, níquel, fósforo, potássio, proteína, quebrachitol, quercetin-3-glucoside, quercetin-3-rhamnoglucoside, vitamina b12, rubídio, spathulenol, estigmasterol, estrôncio, enxofre, tauremisin, tetracosanol, tetradec-6-en-8,10,12-triyne-1-one, tetradeca-4,6-diene-8,10,12-triyne-1-ol, tetradeca-6-ene-8,10,12-triyne-3-one, vitamina B1, titânio, trans-dehydromatricaria-ester, trideca-1,3,5-triene-7,9,11-triyne, vulgarin, vulgarol, vulgarole, zinco.

Propriedades medicinais: amarga, antianêmica, analgésica, antidiarréica, antiepiléptica, antiespasmódica, anti-hidrópica, antiinflamatória, antimalárica, antimicrobiana, antinevrálgica, anti-reumática, anti-séptica, calmante, carminativa, cicatrizante, depurativa, digestiva, emenagoga, estimulante, estomáquica, eupéptica, febrífuga, hepática, inseticida, reguladora da menstruação, repelente, sedativa, tônica, vermífuga.

Indicações: afecções biliares e hepáticas, afecção gástrica (atonia, gastrite, hipocloridria, etc), afecções uterinas, amenorréia, anemia, anorexia, ansiedade, caimbra, cólica intestinal, cólicas intestinais, cólica menstrual, constipação, contusões, convulsão, coréia (dança-de-são-guido), corrimentos, debilidade, diarréia crônica, problemas digestivos, dismenorréia, enterites, epilepsia, espasmo brônquico, feridas, fígado, fraqueza (do corpo, dos nervos e estômago), flatulência, gastrite, hidropsia, hipocloridria, histeria, icterícia, inapetência, intoxicações endógenas e exógenas, lombrigas, malária, mucosidade, nevragia, nervosismo, melhorar as contrações no parto, regular a menstruação, reumatismo, contaminação por salmonela, tosse, transtorno menstrual, vermes, vaginite, verminoses.

Parte utilizada: folha, sumidade florida, rizoma.

Contra-Indicações: não ingerir crua. Mulheres grávidas ou que amamentam. Tóxica em dosagem acima da indicada.

Efeitos colaterais: excitação do sistema nervoso central, vasodilatação, convulsões e reações alérgicas; fica presente no leite da lactante. Pode causar também hepatonefrites, convulsões e problemas mentais e psíquicos.

Modo de usar:
- pó: misturar em 20 m g de pó de raiz seca, um pouco de açúcar. Fazer de hora em hora, aumentando a dose até 100 mg: convulsões;
- pó: misturar 150 m g de pó de raiz seca em 30 g de açúcar. Tomar 4 vezes ao dia: epilepsia;
- infusão de 30 g de flores e folhas secas, em 1 litro de água fervente. Adoçar e beber em jejum 1 xícara pela manhã, nos 4 a 5 dias que antecede a menstruação: menstruação difícil. Beber 3 xícaras ao dia da infusão acima descrita, durante o período menstrual: menstruação dolorosa. Dose máxima diária: 200 ml.;
- infusão de 15 g de folhas e/ou flores em um litro de água. Utilizar 2 a 4 xícaras por dia;
- infusão de 1 colher das de sopa em 1 litro de água quente. Cobrir e deixar macerar por 10 minutos. Tomar 1 xícara de chá após as refeições: digestivo;
- infusão de 1 colher das de chá de folhas em 1 xícara das de chá de água quente. Cobrir e deixar macerar por 5 minutos. Tomar 2 a 3 xícaras das de café ao dia: cólicas menstruais;
- decocção de 2 colheres das de sopa de flores em ½ litro de água. Ferver por 1 minuto.Deixar macerar por 15 minutos. Tomar 2 xícaras das de chá ao dia, ao levantar e ao deitar: tônico circulatório;
- decocção de uma colher das de sopa de raízes em ½ litro de água. Ferver durante 15 minutos. Tomar ½ xícara, 4 vezes ao dia: calmante e antiespasmódico;
Uso externo:
- decocção sobre forma de compressas quentes, 1 a 3 vezes ao dia;
- suco fresco, sob forma de fricções locais, 1 a 3 vezes ao dia;
- extrato fluido: dose máxima diária: 5 ml;
- compressa: utilizar o decocção ou o suco das folhas e/ou raízes, externamente, no reumatismo;
- repelente: os raminhos secos são colocados em armários e estantes como repelentes de traças.

Foto é encontrada em:
Artemisia-vulgaris.html
Artemisia-vulgaris2.html
Artemisia-vulgaris3.html
Artemisia-vulgaris4.html

Algumas espécies do gênero: Artemisia.

Se você tem dúvidas quanto ao significado de alguma das palavras usadas nesta página consulte no Glossário.